sexta-feira, 25 de junho de 2010

...2

Circuito Fechado



Chinelos, vaso, descarga. Pia, sabonete. Água. Escova, creme dental, água, espuma, creme de barbear, pincel, espuma, gilete, água, cortina, sabonete, água fria, água quente, toalha. Creme para cabelo, pente. Cueca, camisa, abotoaduras, calça, meias, sapatos, telefone, agenda, copo com lápis, caneta, blocos de notas, espátula, pastas, caixa de entrada, de saída, vaso com plantas, quadros, papéis, cigarro, fósforo. Bandeja, xícara pequena. Cigarro e fósforo. Papéis, telefone, relatórios, cartas, notas, vales, cheques, memorandos, bilhetes, telefone, papéis. Relógio. Mesa, cavalete, cinzeiros, cadeiras, esboços de anúncios, fotos, cigarro, fósforo, bloco de papel, caneta, projetos de filmes, xícara, cartaz, lápis, cigarro, fósforo, quadro-negro, giz, papel. Mictório, pia, água. Táxi. Mesa, toalha, cadeiras, copos, pratos, talheres, garrafa, guardanapo. xícara. Maço de cigarros, caixa de fósforos. Escova de dentes, pasta, água. Mesa e poltrona, papéis, telefone, revista, copo de papel, cigarro, fósforo, telefone interno, gravata, paletó. Carteira, níqueis, documentos, caneta, chaves, lenço, relógio, maço de cigarros, caixa de fósforos. Jornal. Mesa, cadeiras, xícara e pires, prato, bule, talheres, guardanapos. Quadros. Pasta, carro. Cigarro, fósforo. Mesa e poltrona, cadeira, cinzeiro, papéis, externo, papéis, prova de anúncio, caneta e papel, relógio, papel, pasta, cigarro, fósforo, papel e caneta, telefone, caneta e papel, telefone, papéis, folheto, xícara, jornal, cigarro, fósforo, papel e caneta. Carro. Maço de cigarros, caixa de fósforos. Paletó, gravata. Poltrona, copo, revista. Quadros. Mesa, cadeiras, pratos, talheres, copos, guardanapos. Xícaras, cigarro e fósforo. Poltrona, livro. Cigarro e fósforo. Televisor, poltrona. Cigarro e fósforo. Abotoaduras, camisa, sapatos, meias, calça, cueca, pijama, espuma, água. Chinelos. Coberta, cama, travesseiro.


Ricardo Ramos

...

CIDADEZINHA QUALQUER

Casas entre bananeiras
mulheres entre laranjeiras
pomar amor cantar.

Um homem vai devagar.
Um cachorro vai devagar.
Um burro vai devagar.
Devagar... as janelas olham.

Eta vida besta, meu Deus.

Carlos Drummond de Andrade

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Uma certa tristeza

Traduzir Hegel. Eis uma tarefa nada simples, sobretudo para o português dado que português e alemão não partilham da mesma raiz. O simples fato de ser Hegel também não ajuda. Grande autor de memoráveis textos, mas nada acessíveis a quem não está com a mente preparada e disposta.
Traduzir Hegel. Foi um dos fatos que mais me marcou quando li algo sobre a vida de um outro grande autor: José Saramago.
Para mim uma das mentes mais brilhantes que já viveu. E em algum momento da sua vida teve de se sustentar traduzindo Hegel. É o encontro de dois monstros num único momento.
Saramago não foi grande por ter simplesmente traduzido Hegel, não. De fato, acho que não são todos que conhecem este fato. Saramago foi grande por ter trazido a literatura a um outro patamar, algo mais elevado. Se prêmio Nobel vale alguma coisa, também depõe a favor deste grande homem, pois foi ganhador de tal prêmio com sua obra, mostrando ao mundo como o português é uma língua fantástica, e que nas suas mãos se transformava de forma quase mágica.
Quem dera eu ter um pouco da eloquência deste homem para poder escrever um texto um pouco melhor e fazer jus a sua memória. Infelizmente me limito ao exposto.
Por fim, um dia triste para a humanidade.